Ao lado

Sempre ias à frente e me é difícil te expressar em palavras, já que agora segues teu caminho ao meu lado, sem guiar-me.

Para ver-te não careço mais de levantar o olhar, basta-me virar o rosto para te avistar. Estás aqui como um velho amigo, aquela parte querida que terminastes por ser.

Acostumei-me com tua presença, que um dia me foi farol e hoje me é discreta, eternizada companheira de viagem nesta estrada da vida que é exatamente incerta.

Consulto-te, por vezes, para que as raras palavras que, ainda, escorrem por meus dedos sejam mel e possam adoçar o breve momento de quem se dedicou a lê-las.

Então, segura a minha mão e sigamos juntos lado a lado!

4 comentários:

Charlie B. disse...

Eu penso em amor da mesma forma que penso em arroz com fejão, ajuda a viver!

Charlie B.

* Júuh. disse...

O amor...dolorido-colorido....
Beijo flor

Bia Carvalho disse...

Lindo!

Carlos Filho disse...

Oi Raquel, que bom que gostou do meu texto.
Bom saber do seu blog também.
Apareça

Carlos
www.olhaialem.blogspot.com